SEJA UM DOADOR

Período Fundamental... Será? Pra quem?

Um período denominado ensino fundamental, de atualmente 9 anos. Ou seja, 9 anos da sua vida, sentado entre 7 da manha às 9h20min, duas horas do seu dia copiando textos, e replicando exercícios. Nesse momento você tem um intervalo, chamado em uma época não muito distante de recreio, pois era recreativo, divertido, crianças correndo, brincando de pique-pega, praticando alguns esportes. Atualmente é o intervalo, que você tem pra engolir alguma comida, provavelmente algum carboidrato refinado, vulgo açúcar, e não pode se movimentar demais, pra não entrar suado e agitado na próxima aula, pois isso pode “atrapalhar seu rendimento”, pega essa?!


Entre 9h30min até 12h, você tem mais um pequeno turno de estudo de duas horas e meia, sentado numa cadeira desconfortável nada anatômica, e finaliza a primeira etapa. Vai pra casa, almoça, e podendo tirar o restante do dia para desenvolver outras habilidades, ainda tem o tal dever de casa, trabalho complementar, intensivo, aula de reforço... isso é apenas o ensino fundamental, que a maioria das crianças torcem, e os pais incentivam a sempre passar de ano, passar de ano, até que...


Passados os 9 anos, você se prepara para o Ensino Médio, a maior conquista desse momento. Normalmente não precisa mais usar o uniforme escolar, porque agora você é adolescente e está se preparando para a vida adulta, agora a vida começa a ficar boa. Porque antes éramos crianças, tínhamos deveres e ponto. Agora não, você começa a entender um pouco mais sobre direitos e deveres. E você segue acreditando dessa forma, torcendo para passar mais 3 anos desse processo, até chegar o momento do vestibular.


Aaaah, o vestibular...


O ingresso para faculdade, para vida adulta, agora a vida fica boa de verdade.

Jovens, com hormônios a flor da pele, um pouco mais longe da supervisão dos pais. Agora vai!


Quando você entra na faculdade, no primeiro dia de aula, você já entende um pouco a situação, afinal não é muito diferente dos últimos 12 anos de sua vida. Só que agora você tem a primeira obrigação: arrumar um estágio. Sim, um estágio, sem ele você não aparece para o mercado, você não desenvolve suas habilidades, pois a faculdade é um caminho sem garantias, e você que corra atrás dos recursos necessários para desenvolver um profissional diferenciado, não terá papai e mamãe para vida inteira!


Passados mais 4, 5, dependendo do curso 6 anos, não perca as contas (12 + 6 = 18 anos de vida) você é um profissional especialista na área escolhida, porém com um novo desafio: Desempregado! Sem dinheiro, sem experiência... E lá vai você em busca de um emprego, vender seu tempo, mais precisamente nos moldes atuais, 8 horas por dia, para ter um salário no final do mês.


Agora dá uma pausa na imaginação, e vamos analisar os fatos. Na fase adulta, você já foi preparado pelo sistema para estar nos moldes do sistema e não percebeu, veja só:


- Ensino fundamental: Duas jornadas de estudos separados pelo recreio, com duração de um ano para concluir cada etapa com férias 2 vezes ao ano. Durante aproximadamente 9 anos.

- Ensino Médio: Duas jornadas de estudos, em alguns “super-colégios” até mais de 2, separados pelo intervalo, com um ano de conclusão para cada etapa, e ainda 2 férias anuais.

- Graduação: Jornadas de estudos, estágio, trabalho extra, homework, come quando dá, cuida pouco da própria saúde, basicamente vivendo no automático, e sem férias, pois quem disse que estagiários tira férias?

- Emprego: Duas jornada de trabalho, separados pela hora do almoço, durante o resto da sua vida de estabilidade, stress, falsa segurança e férias 1 vez ao ano, se não for comprada pelo empregador.


Mas agora sim a vida de fato começa a ficar boa, você está empregado, tem uma carteira assinada, e seu salário no final do mês, será mesmo?!


Quando você entra pro mercado de trabalho, vê que se encontra na posição de Trainee Level 1, numa escala que vai até o nível 4, não tem nem vaga pra você no estacionamento da empresa, você nem carro tem ainda na verdade antes de você ser inserido de fato como membro da empresa. Essa empresa tem uma escala de supervisores, gerentes, cheia de siglas em inglês, pra dar aquela valorizada, CEO, FFO, Motherfuck CEO, entre outras, e para você chegar até lá, acostume com a condição de caçador de recompensas.


Funciona mais ou menos assim:


Um desses, formalmente chamado por alguma sigla dessas, vai te mostrar uma cenoura, essa cenoura é a sua meta, você tem que ir atrás dessa cenoura, o mais rápido que puder, e quando você pegar a cenoura, volta rápido, e entrega a cenoura para quem lhe mandou buscar. Com uma das mãos ele recebe a cenoura, com a outra ele te cumprimenta elogiando a volta. Na sequência ele joga uma outra cenoura mais longe, o dobro da distância, pois ele dobrou a meta, e o processo inicia novamente. Ele joga a cenoura, você pega e entrega a cenoura, ele joga a cenoura, você pega a cenoura... E assim a vida segue, por quantos anos você agüentar, até aposentar, ou então até essa mesma empresa, realizar um jantar, te convidando para uma cerimônia, cuja qual você recebera uma placa com seu nome, e um agradecimento pelos serviços prestados.


Continua...

2 visualizações