CURSOS

Treinamento Online

Como é o seu relacionamento com atividade física?

Provavelmente você já treinou com algum professor que tentou te motivar ou já escutou alguém do mundo fitness falando a seguinte frase: Bora, "no pain, no gain"

Ou então, viu algum post dos "gurus do fitness" tentando te inspirar a treinar te explicando a diferença entre um supino reto e um supino inclinado. Ou ainda, tem um amigo fitness que te convida para fazer um treino só para ficar competindo com você para ver quem pega mais peso na academia.

 

Essas são atitudes que só favorecem a baixa adesão aos programas de treinamento físico atuais. Não é de se estranhar que seres humanos digam: "atividade física não é para mim", ou que praticam alguma atividade com um sentimento de obrigação, virando realmente um sofrimento, quase uma tortura sair de casa para treinar.

Acredito que você conhece alguém assim, se não conhece, provavelmente esse alguém é você.

Nada contra, aliás essa abordagem pode ser muito efetiva para se comunicar no meio acadêmico,  dentro de um laboratório de pesquisas, um quartel militar e talvez no alto rendimento. Mas quando lidamos com seres humanos, acredito que a melhor abordagem não seja essa.

Acredito numa forma diferente para inspirar e motivar seres humanos a se manterem ativos. Somos seres sociais e movimentadores por natureza, dependíamos de nossas habilidades de movimentação, como velocidade, força, coordenação, agilidade, precisão, equilíbrio e várias outras para nos manter vivos, e levar o alimento que garantiria o sustento de nossa comunidade.

Um fato que me ajuda a pensar que a abordagem atual é falha é o fato de 9 em cada 10 humanos que se matriculam em uma academia, abandonam seus treinos antes mesmo do plano contratado chegar ao fim, pagamos e não estamos indo.

Somos o segundo país com o maior número de academias, isso significa dizer que se todas estiverem lotadas, conseguimos atender 5% da população brasileira. 

Atualmente no Brasil, 49% da população é sedentária. 

O sedentarismo é um dos maiores fatores de risco para adquirir o que a medicina chama de doenças crônicas. Diabetes, hipertensão e alguns tipos de câncer são alguns exemplos dessas doenças. No mundo, essas doenças são responsáveis por mais de 75% das causas de morte, matando mais do que guerras, acidentes no trânsito e qualquer outro tipo de morte que você possa imaginar enquanto lê essa página, e esses números não param de crescer.

Porém poderíamos controlar, reduzir e reverter esse cenário, caso nossa população fosse educada para manter hábitos de vida mais saudáveis, como a prática regular de atividades físicas e uma alimentação baseada em comida de verdade e não industrializada. O curioso é que a cada ano, aumenta-se o número de de Profissionais de Educação Física e Nutrição, e a cada ano, aumenta-se também, o numero de pessoas obesas, hipertensas, diabéticas.

Não precisa ser muito bom em matemática para perceber que essa conta não está batendo.

Isso não deveria ser assim!

Depois de passar por todos os setores da Indústria do Fitness, de aluno a sócio proprietário, elaborei estratégias e conheci centenas de alunos, de diversos perfis, em Minas, São Paulo, Rio de Janeiro, com diversos objetivos, de atletas competidores de alta performance, a humanos de grupos especiais. 

Uma jornada incrível, que sou muito grato, pois me possibilitou entender seus anseios, medos, aspirações e ajudar, através da educação, a conquistarem seus objetivos e potencializarem sua saúde e qualidade de vida de forma sustentável e inspiradora.

Sim, inspiradora!

Meus alunos passaram a inspirar outras pessoas. Felizmente era comum, um aluno trazer seu pai, sua irmã, mãe, namorada para treinarem juntos. Por esses momentos que todo o trabalho era recompensado, quando realmente tudo fazia sentido, ali tinha certeza que valia a pena viver, pois além de serem seres humanos inspirando outras pessoas, acreditavam a vida dos que mais amavam aos meus cuidados.

Com o amadurecimento pessoal e profissional, entendi que não é sobre programação de treinamento, não tem a ver com a melhor série de exercícios que eu programava, embasada teoricamente. Não era isso que fazia com que os resultados acontecessem, isso na verdade era o mínimo que eu poderia oferecer como um especialista nessa área, meu trabalho era esse. 

O que de fato eu amava fazer, e que era o grande diferencial, o que fazia com que os resultados fossem positivos era uma virada de chave, que na verdade não dependia só de mim, dependia dos próprios alunos, e eu aprendi como fazer para despertar essa vontade em cada um deles.

Minha missão era, dar as ferramentas e proporcionar um ambiente seguro para que juntos pudéssemos construir essa chave, para que no seu tempo, a chave fosse virada.

 

Depois que saí da Industria do Fitness, recebi várias mensagens de meus alunos, umas de gratidão, outras com saudades, perguntando quando voltaria a dar aula. Mas eu relutei. 

Precisava cuidar da saúde de uma galera que também estava sentindo minha falta desde os 15 anos, quando sai de casa para ingressar na faculdade, minha família.

Minha preocupação com a saúde do povo brasileiro, especificamente sobre doenças crônicas vem de berço, já perdi uma tia pro câncer, atualmente tenho na família, um avô com Alzheimer, diabetes e Mal de Parkinson, uma avó hipertensa e pré-diabética, alguns tios sedentários, outros obesos, e vejo o quanto isso impacta na qualidade de vida deles, e como seria diferente se mudassem seus hábitos.

 

Nesses últimos meses, consegui com que minha mãe, se livrasse de um colar cervical, que virou uma espécie de bengala, depois que foi diagnosticada com quatro hérnias distribuídas ao longo de sua coluna, e também consegui suspender o uso de todos os medicamentos que utilizava para as dores no corpo, simplesmente desenvolvendo as mesmas estratégias que desenvolvia para meus alunos Brasil a fora.

Percebi que as ferramentas que fazia uso, podem realmente ser usadas por qualquer pessoa, vi que poderia continuar ajudando, motivando, inspirando seres humanos a serem o melhor que podem ser. Parei de relutar, seria até egoismo não compartilhar, decidi ser contribuição para a sociedade!

Assim nasceu: Be Move, Be Human.

Um movimento contra o maior problema da nossa sociedade, uma metodologia desenvolvida ao longo de mais de 12 anos como estudante e professor e mais de 29 anos como praticante de movimento em prol da saúde humana integral. Um método que impactou a vida de centenas de pessoas, e que agora quero compartilhar com você.

Organizei o curso em oito módulos, veja cada um como caixas que contém as ferramentas necessárias para desenvolver todo seu potencial humano.

 

"Box 0" você receberá as boas vindas, uma visão geral do curso, como tirar o maior aproveitamento e um desafio prático para começar a melhorar sua qualidade de vida.

 

O "Box 1" é composto de aulas teóricas que fundamentam e dão base para a construção de todo pensamento filosófico do método, uma viagem no tempo para entendermos como os grandes eventos e as grandes indústrias influenciaram e influenciam nossas vidas até os dias de hoje.

No "Box 2" te apresentarei um conceito de saúde mais amplo. Vamos aprender sobre os 4 pilares da evolução do ser humano e entender como nossa saúde está ligada ao equilíbrio desses pilares, são eles: Mental, físico, emocional e espiritual. Fechando com um desafio que prometo impactar positivamente sua energia.

 

O "Box 3" vem para te ajudar a concluir o seu propósito como praticante de movimento, vamos aprender sobre o corpo humano, suas potencialidades e como desenvolver cada habilidade física.

 

No "Box 4" é a hora de tomar posse das ferramentas que usei com mais de 600 alunos, e vou te ensinar como usá-las através de uma teoria que desenvolvi, a qual dei o nome de "Teoria das Estações". Além disso, vou te ensinar a definir metas e elaborar estratégias para alcançar seus objetivos: Quer sair do sedentarismo, emagrecer, melhorar sua saúde e qualidade de vida ou então aumentar sua performance?

Aqui todo o passo a passo e desenvolvimento das estratégias para cada objetivo será revelado.

 

Com tudo alinhado, no "Box 5" vamos quebrar aquela crença de que precisa ser sofrido para ter resultados positivos, muito pelo contrário, pode e deve ser divertido, e só assim será sustentável, o que não significa que será fácil.

 

Já no "Box 6" eu te mostro a arte da programação de treinamento, como combinar estratégias e programações para obter o máximo de desempenho e desenvolvimento em suas práticas.

 

E o "Box 7", cheio de bônus, planilhas de treino para você já poder colocar em prática tudo que aprendeu, uma vídeo aula sobre técnicas de corrida, respiração, liberação miofascial, uma palestra com Leonardo Supra sobre nutrição evolutiva e todas as referências utilizadas para o desenvolvimento desse curso organizadas em um E-book.  Além disso, você fará parte de uma comunidade de alunos conectados através desse movimento, incentivando, motivando, ensinando e aprendendo um com o outro, onde também me insiro, esclarecendo as dúvidas que surgirem, e aprendendo junto.